domingo, 24 de agosto de 2008

De toda cor

Esperar eu espero. Mas, às vezes, me pergunto: tem que ser assim? Provação, necessidade, desperdício? Sei não. Sei que é difícil. Eu aqui, você aí - alguém tá no lugar errado. Não tem telefone, nem câmera que me faça apagar essa falta. Ausência é mais do que não ter a voz, a imagem, uma carta escrita. Ausência que dói mesmo é daquilo que nem bem se materializa. É do que eu sinto quando acordo e me descubro aconchegada na tua pele quente. É de quando percebo um teu sorriso novo, numa situação banal. É de ouvir da tua boca aquilo que eu acabei de pensar. É de achar o café mais gostoso, o tempo mais ameno, a música mais bonita, quando estamos juntos. Ai, meu samba anda tão chorado! Falta de ver o mundo cor de rosa? Quase isso. Acho que é falta de saber que o mundo não é cor de rosa, mas pode ficar, de vez em quando. É falta de sair do teu lado pra respirar a solidão e tomar fôlego pra voltar e querer ficar. É tanta coisa. A tua ausência é o oposto da tua presença, que é oposto do escuro, do susto, do amargo. A tua presença é o que eu desejo agora e o que eu quero desejar pra sempre.
*
A tua presença
Entra pelos sete buracos da minha cabeça
A tua presença
Pelos olhos, boca, narinas e orelhas
A tua presença
Paralisa meu momento em que tudo começa
A tua presença
Desintegra e atualiza a minha presença
A tua presença
Envolve meu tronco, meus braços e minhas pernas
A tua presença
É branca, verde, vermelha, azul e amarela
A tua presença
É negra, negra, negra
A tua presença
Transborda pelas portas e pelas janelas
A tua presença
Silencia os automóveis e as motocicletas
A tua presença
Se espalha no campo derrubando as cercas
A tua presença
É tudo que se come, tudo que se reza
A tua presença
Coagula o jorro da noite sangrenta
A tua presença
É a coisa mais bonita em toda a natureza
A tua presença
Mantém sempre teso o arco da promessa
A tua presença
Morena, morena, morena ... morena
*
(A tua presença morena - Caetano Veloso)

3 comentários:

Iara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Madalena disse...

Oi Lu, querida!
Obrigada pela visita! Por aqui tudo bem, até o frio já está mais camarada... hehe. Tenho saudades do pessoal daí, quem sabe numa próxima ida a SP a gente se encontra!
Venho sempre aqui ler teus inspirados escritos. Nada como o talento pra transformar uma doce tristeza (qual foi o poeta que apelidou assim a saudade?) em lindos vôos de palavras. Me identifico em seus textos, por coisas que já passei. E, da experiência vivida, posso relatar: a felicidade, que já mora por aí, logo estará mais presente pra temperar teus dias. Pode esperar! ;)
Beijos e tudibão!
da Ju

Anônimo disse...

Oi,

serve um pouco dessa breve presença virtual?

JTA!!!

T