quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Carta Aberta

Hoje recebi uma linda carta de amor. E quero respondê-la aqui. Não na íntegra, mas uma pequena parte. Por quê? Porque estive pensando que as pessoas que escrevem publicamente, ainda que em um canto escondido e quase anônimo como este, o fazem não por necessidade de aprovação, admiração, ou coisa parecida. Penso nos blogues de amigos e desconhecidos que acompanho com carinho, e, mais que isso, com gratidão. Sim, taí um "ão" que faz a diferança! Uma poesia de um aqui, uma frase inspiradora de outro acolá ... Quantas vezes não salvaram meu dia, me acalentaram o espírito, me trouxeram esperança, ou simplesmente me fizeram rir e enxergar tudo de um jeito mais leve? Então, acho que nisso está a verdadeira intenção do que fazemos: quem sabe ter a sorte de afagar um transeunte qualquer. Compartilhar indignação, frustração, tristeza, angústia, alegria, decepção, ternura, ou seja, um pouquinho de humanidade.
E assim, justifico minha decisão de postar parte de uma reposta a uma carta de amor; afinal, o amor será sempre o melhor que teremos a compartilhar.

Meu amor, sua carta me trouxe belas palavras, muitas aflições, algumas preocupações. Você falou sobre a sua confiança no nosso encontro e no que você espera poder representar pra mim. Preocupação acertadíssima, mas desnecessária. Você já representa muita coisa. Representa a possibilidade de realização dos meus sonhos mais sinceros, dos meus desejos mais secretos. Sinteticamente, posso dizer, a oportunidade de cuidar do essencial. E o que é essencial? Aprender e ensinar. "Aprender, servir e ajudar", você disse. Viu como pensamos parecido? Você falou tanto na sua vontade de corrigir suas imperfeições. Sabe, desde que tenho você comigo, também lido bem mais de frente com as minhas imperfeições. Não só porque a sinceridade é sua pior qualidade e seu melhor defeito, mas porque o amor nos põe à prova o tempo todo, revelando-nos o nosso egoísmo, os nossos medos, as nossas carências, as nossas necessidades nem sempre saudáveis. Não seria exagero dizer que o amor desvela o que há de melhor e pior em nós. Estamos bem longe de amar platonicamente, amar desprendidamente, desejando essencialmente o bem do outro. Amamos e queremos o nosso próprio bem, o bem que o outro nos provoca. Por isso, o melhor que você poderia significar pra mim é a certeza de que quero, sim, fazer esse exercício de amar verdadeiramente, e não egoisticamente. Você me ensina muito e sempre. Por exemplo, já aprendi que acordar do teu lado me faz ter mais confiança de que é possível melhorar muita coisa nesse mundo maluco. Você me ensina a dirimir meus preconceitos bobos, das formas mais improváveis. Quando declama os poetas que eu amo e não rejeita os livros que eu desprezo. Quando pega Pasolini e algo como "Duro de Matar" na locadora e me pergunta o que vamos ver primeiro. Quando me faz ouvir e gostar, na mesma semana, de Uakiti e Amy Winehouse (só com muito amor mesmo! rs). Quando me faz ter vontade (bem incipiente, mas ...) de voltar a estudar inglês, enfim ... E por que mais eu quero tanto aprender a "amar certinho"? Porque você olha para todas as crianças, como se cada uma fosse a mais especial. Porque você ama com o coração transbordando. Porque você não dá sobras; você se dá inteiro. Porque você não tem medo de amar. Porque você tem medo de viver sem amor. Porque você me faz querer ser a melhor mãe do mundo. Porque você ri quando eu quero chorar e chora quando eu quero rir (isso não é perfeito?). Porque você não permite que eu fique emburrada por mais de 24 horas (precisamos negociar esse tempo). Porque a sua sensibilidade não me alcança quando eu acho que preciso, mas me enxerga no escuro, quando eu menos espero. Porque você não sabe tudo sobre mim e isso me faz continuar a ser eu. Porque você quer saber mais sobre mim e isso vai fazer com que sejamos cada vez mais "nós". Porque você me ensina o que eu teimo em não querer aprender. E, claro, porque você me lembra que existem verbos que ninguém mais usa e me ensina alguns bons trajetos, o que faz com que eu me perca bem menos na Zona Oeste. rs. Viu, só? Eu bem que tento, mas meu amor continua sendo fundamentado num egoísmo abismal! Eu te amo por esse bem enorme que você me faz. Mas também porque eu acredito na sua proposta de evolução. Afinal, deve ser verdade o que dizem os livros de auto-ajuda: "Casais inteligentes enriquecem juntos". E sei que o nosso enriquecimento não tem a ver com contas polpudas, carro importado, viagens exuberantes. O que há de mais exuberante já temos. E eu te amo porque você me trouxe de volta uma esperança que eu havia perdido: a de que é possível viver e buscar o bem comum. Não importa o que faremos de efetivo, ou se o que faremos será efetivo (reciclaremos nosso lixo? economizaremos água? plantaremos algumas mudas? ensinaremos nossos filhos a respeitarem o planeta e o semelhante incondicionalmente? cuidaremos e ensinaremos crianças que não gerarmos?). Sinto que qualquer coisa que eu fizer contigo será capaz de germinar. E essa é a melhor resposta que consigo te dar nesse momento: a minha confiança. Meu amor, eu quero a sua ajuda. Para aprender sempre mais, para amar de um jeito cada vez mais verdadeiro e, principalmente, para que, juntos, possamos fazer valer a nossa existência.

4 comentários:

Anônimo disse...

Abramos!

Sabe que eu tenho esse mesmo sentimento? Sinto que qualquer coisa que eu fizer contigo será capaz de germinar algo bom! Paixão amada! Este ão faz toda a diferença... casais vós conosco e estamos felizes, nossa maior riqueza.

Emannuel é quem diz que as únicas paixões justificáveis são aprender, servir e ajudar, pois são o caminho mais curto para realizar os sonhos mais sinceros, dos meus desejos mais ardentes.

Meu amor, eu quero a sua ajuda. Não vivo sem teu olhar...

Te amo apaixonadamente!!!

T

Iara disse...

Ai....que gostoso...

kel disse...

Você é simplesmente maravilhosa!!!!

Julikiyo disse...

Ai que liiiiindo...... Lu, vc merece ser muito feliz. Que sorte a do T lhe encontrar!

Bj, Juli